Minhas artes

Link-me


Outras atividades

Outras atividades
Ideias, Projetos e Atividades sobre IDENTIDADE

Translate

2

Comemorações de abril


01 · Dia da Mentira Há muitas explicações para o 1 de abril ter se transformado no dia das mentiras ou dia dos bobos. Uma delas diz que a brincadeira surgiu na França. Desde o começo do século XVI, o Ano Novo era festejado no dia 25 de março, data que marcava a chegada da primavera. As festas duravam uma semana e terminavam no dia 1 de abril. Em 1564, depois da adoção do calendário gregoriano, o rei Carlos IX de França determinou que o ano novo seria comemorado no dia 1 de janeiro. Alguns franceses resistiram à mudança e continuaram a seguir o calendário antigo, pelo qual o ano iniciaria em 1 de abril. Gozadores passaram então a ridicularizá-los, a enviar presentes esquisitos e convites para festas que não existiam. Essas brincadeiras ficaram conhecidas como plaisanteries. Em países de língua inglesa o dia da mentira costuma ser conhecido como April Fool's Day, "Dia dos Tolos [de Abril]"; na Itália e na França ele é chamado respectivamente pesce d'aprile e poisson d'avril, literalmente "peixe de abril". No Brasil, o primeiro de abril começou a ser difundido em Minas Gerais, onde circulou A Mentira, um periódico de vida efêmera, lançado em 1º de abril de 1848, com a notícia do falecimento de Dom Pedro, desmentida no dia seguinte. A Mentira saiu pela última vez em 14 de setembro de 1849, convocando todos os credores para um acerto de contas no dia 1º de abril do ano seguinte, dando como referência um local inexistente. Fonte:http://pt.wikipedia.org/wiki/Dia_da_mentira


Quem melhor que o Pinóquio para falar sobre mentira?

A história Pedro e o Lobo também auxilia a evitar a mentira.


@ Planeje uma hora do conto ou DVD com a História do Pinóquio.

@ Na rodinha, converse sobre o que acontece quando mentimos. Lembre as crianças que no nosso caso, não cresce o nariz, mas a mentira tem consequências negativas como perder amigos ou deixar as pessoas que nos amam tristes.

@ Construa um Pinóquio com sucatas, para que levem pra casa e contem a história para as famílias.

@Construa com sucatas, o nariz e o chapéu do Pinóquio.


Abaixo, um modelinho de Pinóquio articulado.

18 · Dia Nacional do Livro Infantil 18 · Dia de Monteiro Lobato

Projeto para gostar de ler Projeto Leitura Justificativa:

Com a chegada do dia 18, dia do livro, ressaltamos a importância de criar na criança, hábitos de leitura como apreciar ouvir histórias, começar a identificar-se com gêneros e alguns autores e ter prazer por ouvir e contar histórias, reconhecendo nos livros, uma fonte interminável de lazer e cultura.

Objetivos:

Incentivar ao hábito da leitura;

Proporcionar as crianças o contato com diferentes histórias através de atividades diversificadas; Oferecer atividades dinâmicas e criativas envolvendo as histórias.

Atividades a serem realizadas:

 Leitura pela profe, de livros de histórias, poemas, jornais, revistas e outros recursos;

 Solicitar que as crianças dêem um novo final ou início à história lida;

 Conhecer vida e obra do autor;

 Fazer textos coletivos com a descrição dos personagens, onde a professora é a escriba;

 Fazer releituras conjugando a linguagem (com recitais, sínteses) e a arte (com pinturas e esculturas) como forma de tornar mais concreta a aprendizagem;

 Construção de dedoches e fantoches para recontar histórias;

 Construir a mala dos contos, para visitar a casa das crianças e ser lida pelos pais;

 Construção dos personagens das histórias, utilizando sucatas, argila, massa de modelar etc.

 Hora do conto com dobradura;

 Construir livros com as crianças;


MALA PARA HORA DO CONTO

BOLSA PARA GURADAR LIVROS

Não dá para falar em dia do livro sem lembrar de Monteiro Lobato e sua importância, já que o dia do livro infantil, é uma homenagem a este grande escritor.

Ele deixou muitas obras além do Sítio do pica pau Amarelo, mas esta é com certeza, a preferida da criançada.



MARCADORES DE PÁGINA - TURMA DO SÍTIO



VISEIRINHAS DA TURMA DO SÍTIO



BRINCADEIRAS NO SÍTIO COM CORDAS


SUBI NA ROSEIRA

Enquanto duas crianças batem a corda, outras duas começam a saltar e ao mesmo tempo vão cantando: Ai, ai... O que você tem? Saudades. De quem? Do cravo, da rosa e de mais ninguém. Subi na roseira, desci pelo galho, fulano (diga um nome) me ajuda, senão eu caio. Todos os colegas devem ser chamados para pular corda.

FOGUINHO

As crianças que batem a corda vão dizendo: Salada, saladinha Bem temperadinha Com sal, com pimenta Fogo, Foguinho. Cada vez que a palavra “foguinho” for dita, os colegas devem girar a corda mais rápido. O vencedor é aquele que conseguir pular mais tempo sem esbarrar na corda.

COBRINHA

Duas crianças sacodem a corda, bem perto do chão, fazendo ondulações como se fosse uma cobra perigosa. Enquanto as outras crianças pulam, as que estão fazendo ondulações devem sacudir cada vez mais rápido para que elas fiquem cada vez mais altas. Vence quem pular mais tempo. CHICOTINHO

Faça uma roda, depois sorteie uma criança para ficar ao centro. Essa criança escolhida dobra a corda segurando as duas pontas e começa a girá-la no chão. As outras crianças têm que pular sem pisar na corda, quem pisar sai da brincadeira e espera para voltar na próxima roda.

SALTO

Duas crianças esticam a corda bem pertinho do chão e vão subindo aos poucos a altura da corda. Vence quem conseguir pular mais alto.


BRINCADEIRAS DI SÍTIO COM O PIÃO


RODAR O PIÃO

Para rodar o pião, risque um círculo no chão, que será a roda ou a raia. Depois, enrole um fio barbante na cabeça do pião e desça até a ponta; dê uma volta e enrole o barbante para cima até a parte “gordinha”. Enrole a outra ponta no dedo indicador e lance o pião. Se ele cair girando dentro da roda, vale dois pontos. Se sair da roda e voltar, não fique desesperado, você vai ganhar um ponto. Se sair e não voltar, perde um ponto. Vence quem fizer dez pontos primeiro.

DORMINHOCO

Vamos ver qual pião dorme mais? Convide os amigos para uma disputa de piões. Todos devem ter um pião. Conte até três e todos lançam os piões. O pião que ficar mais tempo girando, sem sair do lugar, é o mais dorminhoco!

CELA

Risque a cela no chão, que pode ser um círculo ou um quadrado. Todos lançam seus piões. O pião que cair mais distante da cela é colocado no centro dela para ser alvo dos demais. Os jogadores devem lançar seus piões, levantá-los na palma da mão e atirá-lo contra o que está na cela. Aquele que não conseguir atingi-lo coloca seu pião no centro da cela.


MÚSICA:



EM BREVE:

19 · Dia do Índio

22 · Descobrimento do Brasil

24 . Páscoa
Leia mais...
4

Guirlanda com papelão de caixa de ovos

Sempre que encontro algo novo, criativo e que vale a pena visitar, trago aqui para compartilhar esta descoberta.
Hoje, encontrei o site:

É muito 10! Tem ideias fáceis, baratas, criativas e muito lindas!
Olha só esta guirlanda abaixo. É feita de caixa de ovo.
Dia das mães, das avós, decoração de festa, inicio da primavera.
Da para aproveitar em várias ocasiões

Não deixem de visitar e aproveitem as ideias.

http://krokotak.com/

Leia mais...
4

Passo a Passo para contrução da Proposta Pedagógica


Estava procurando material sobre Proposta Pedagógica para ler e encontrei o site da SMED (Secretaria Municipal de educação) do Município de Porto Alegre, onde eles divulgam um material interessente e muito útil sobre este tema. O texto completo está no endereço abaixo, copiei aqui algumas dicas para a construção deste documento. O material traz a teoria e depois esta sugestão prática abaixo: Achei bem legal.


ROTEIRO SUGESTIVO PARA PROJETO POLÍTICO-PEDAGÓGICO


Sumário – Constar o nome de todos os capítulos, títulos e subtítulos, e números de páginas.
Identificação – A escola apresenta seus dados de identificação (nome, endereço...)
Introdução - A escola/instituição apresenta seu projeto político pedagógico, explicitando suas concepções quanto a esta matéria e relata aspectos que julgar importantes do processo de elaboração do documento, incluindo envolvimento com as famílias, comunidade, conforme aponta a letra “c”, do artigo 10 da Resolução 003/01 do CME. A redação desta parte deve ser feita ao final do processo.
Histórico – Apresentar a história da escola; como surgiu, por quê, em que ano teve origem, como é mantida, para qual comunidade, houve mudanças de sede, qual a influência do trabalho realizado pela escola na comunidade.
Diagnóstico - Descrever como é a comunidade e a situação do entorno da escola, características da comunidade (culturais e sociais), situação socioeconômica das famílias atendidas, como acontece a inserção da escola nesta comunidade (relações), diagnóstico da realidade global na qual a instituição está inserida (cidade, bairro), explicitar como a instituição “vê” o mundo ao seu redor.
Fundamentos - A escola/instituição apresenta as concepções/visões/princípios que norteiam seu projeto político pedagógico, detalha como embasa suas concepções no que se refere a: criança, infância, desenvolvimento infantil, aprendizagem, escola e educadores; como prevê e pensa a educação inclusiva, o acolhimento às diferenças de gênero, etnia, raça e religião. Definir sua linha pedagógica e quais teóricos utilizados para embasar sua prática pedagógica diária. Levar em conta os princípíos:

• Filosóficos: Visão de mundo, sociedade, homem, conhecimento, criança, infância, instituição de Educação Infantil, educador/a.
• Socioantropológicos: Visão do contexto sociocultural das crianças e de suas famílias, concepções sobre as relações com as famílias, com a comunidade, com outras entidades, movimentos sociais, órgãos da cidade.
• Psicopedagógicos: Visão de desenvolvimento infantil, de ensino-aprendizagem, de construção do conhecimento.

Planejamento – Explicitar a concepção de planejamento e a organização interna (espaços e tempos), fundamentando com base em referencial teórico. Como planeja sua ação educativa, como organiza os espaços e tempos, como faz as reuniões, com que periodicidade, quem participa, quem planeja, como documenta e registra o planejamento.
Organização da ação educativa - Explicitar como a escola/instituição planeja a ação didático-pedagógica, qual metodologia é utilizada (pedagogia de projetos, rede temática, tema gerador, linguagens geradoras...), bem como a fundamentação teórica que a sustenta. Explicitar quais eixos de trabalho são priorizados e como garantem acesso às diferentes manifestações culturais, respeitando as diversas linguagens e expressões, como promove a integração entre elas, como integra as diversas áreas do conhecimento e os aspectos da vida cidadã numa abordagem interdisciplinar. Resolução 003/01, artigo 10, do CME.
Acompanhamento e registro – Explicitar concepções e critérios sobre a avaliação. Explicar como avaliam, para quê, quem participa do processo, como documentam, qual a periodicidade. Esclarecer o que compõe o documento final (relatório, ficha, produções das crianças, portfólio...), de que maneira é entregue e para quem. Informar que é avaliado: crianças, profissionais, escola, comunidade, família.
Organização dos grupos etários – Definir como estão organizados os grupos e quais os critérios utilizados para esta classificação, nome dos grupos e se há diferença na organização entre os turnos. Citar a legislação referente ao número de crianças e adultos que as atendem, e também a relação criança/m².
Citar a Resolução 003/01 – CME e a Lei Complementar nº544/06 – SMOV.
Organização do Ambiente Físico - Apresentar o espaço físico destacando a funcionalidade dos ambientes relacionando com a fundamentação pedagógica de opção da escola. Não são necessários o detalhamento do ambiente e a descrição do mobiliário. Preferencialmente, utilizar seu referencial teórico.
Equipe Multiprofissional – Apresentar toda a equipe que trabalha na escola, não colocando as suas atribuições, mas sim a inserção destes profissionais no currículo da escola. Informar se há atividades/oficinas extras, definindo por que são oferecidas e como acontecem. No caso de serem opcionais, explicitar como é o atendimento às crianças que não participam destas. Citar a formação dos profissionais e se está em conformidade com a Resolução 003/01-CME, nos artigos 12, 13, 14, 17.
Referências - Item no qual a escola coloca as referências bibliográficas e/ou virtuais que foram utilizadas na construção do Projeto Político-Pedagógico.

Dicas
- Evitar nomes próprios, ano e números que possam ser alterados anualmente;
- Entregar cópia sem encadernar;
- Fazer correção ortográfica geral do texto;
- Não fazer cópias de sites da Internet, a não ser que sejam mencionados nas referências;
- Na edição final utilizar as normas da ABNT;
- Não ilustrar com fotos e outros anexos.

Referências deste roteiro:
ARROYO, Miguel. Construção da proposta político-pedagógica da rede municipal de Belo Horizonte. In: Espaços da escola. Ano 4, n. 13. Ijuí, Unijuí, 1994.
KLINGELFUS, Nora Lúcia. A rede dos saberes que se entrelaçam. (xerox)
SANTIAGO, Anna Rosa F. Projeto político-pedagógico da escola: desafio à organização dos educadores. In: VEIGA, Ilma P. A. (org.) Projeto político-pedagógico da escola: uma construção possível. Campinas: Papirus, 1996.
SAVIANI, DermevNegritoal. Escola e democracia: teorias da educação, curvatura da vara, onze teses sobre educação e política. São Paulo: Cortez, Autores Associados, 1983.
TENTOR, Sônia Bastos. Projeto político – pedagógico: pressupostos básicos que devem nortear a estruturação da proposta. In: Revista do Professor. POA, 16 (62), p. 43-44, abr/jun 2000.
VEIGA, Ilma P. A. Projeto político-pedagógico da escola: uma construção coletiva. In: VEIGA, Ilma P. A. (org.). Projeto político-pedagógico da escola: uma construção possível. Campinas: Papirus, 1996.
Leia mais...
12

Atividades para o outono

Sugestões de atividades para o mês de março.
Este tipo de material se encaixa no plano de datas comemorativas. Na postagem sobre planejamento, foi evidenciado que não deve ser trabalhado de forma isolada, pois um dia não dá continuidade ao outro, então, para que seja significativo, deve ser abordado juntamente com outro trabalho já em andamento ou deve ser o ponto de partida para a abordagem de um novo assunto.

"Quero apenas cinco coisas..
Primeiro é o amor sem fim
A segunda é ver o outono
A terceira é o grave inverno
Em quarto lugar o verão
A quinta coisa são teus olhos
Não quero dormir sem teus olhos.
Não quero ser... sem que me olhes.
Abro mão da primavera para que continues me olhando"
Pablo Neruda


20 de março • Início do outono

DESENHOS COM FOLHAS SECAS

VARIAÇÃO: Arrume as folhas secas, soltas embaixo de uma folha de papel ofício. Passe o giz de cera deitado sobre a folha, o giz faz aparecer o "raio x" das folhas. A técnica do desenho mágico é linda. Recorte as folhas e faça um móbile.

ÁRVORE DE OUTONO


VARIAÇÃO: Carimbe a mão dos seus alunos com tinta guache e recorte. Cole como se fosse as folhas secas. Use um rolo de papel higiênico como tronco da árvore ou o próprio punho da criança pintado com guache até a altura do cotovelo. Faz sujeira, mas o efeito é lindo.


MÓBILE DE TRONCOS

VARIAÇÃO:
Use galhos secos para construir seu móbile, faça os passarinhos e folhas com dobraduras.





SUGESTÕES DE MÚSICAS:


QUANDO CHEGA O OUTONO
Vamos Cantar... Com Música a Acompanhar”
Volume VI - Estações do Ano



Quando chega o Outono
Voa andorinha
Parte para o Sul
Prá nova casinha
Voa, voa, voa, voa
Voa andorinha
Voa, voa, voa, voa
Prá nova casinha.
Quando chega o Outono
Solta-se a folhinha
Aparece o vento
Uma brisa fresquinha.
Vu, vu, vu, vu
Solta-se a folhinha
Vu, vu, vu, vu,
Uma brisa fresquinha.
Quando chega o Outono

Colhe-se na vinha
Arrefece o tempo.
Cai uma chuvinha.
Plim,plim,plim,plim
Colhe-se na vinha
Plim,plim,plim,plim
Cai uma chuvinha.

HORA DA HISTÓRIA

Steiner, dizia que contar e escutar uma história, é um alimento para a alma. A história quando adequada a faixa etária traz a tona as verdades, atuando sobre os sentimentos e a identidade da criança.


A última folhinha verde

Reescrita por Rosângela Alves

Aconteceu, a muito tempo atrás, no Hemisfério Norte...
O Rei estava de cama, muito doente...morrendo lentamente.
Porém, mais forte do que a doença que lhe consumia, era o profundo desanimo que lhe faltava a alma. O rei havia desistido de viver.
Sua filha vinha vê-lo todos os dias e tentava anima-lo, relembrando dos bons momentos da vida.
Mas em vão, ela não reagia.
O rei havia desistido e viver.
Passava os dias inteiros na cama, olhando para a janela à sua frente e observando uma grande árvore que ia lentamente perdendo suas folhas, porque o outono havia chegado.
Em uma manhã, quando a filha tentava animá-lo, o rei lhe disse:
__"Sabe, filha, quando aquela árvore perder a última de suas folhas, terá chegado a minha hora de morrer..."
__Que é isso pai? Que tolice! Por que amarrar o seu destino ao destino de uma árvore?
__Mas o rei não a ouviu, tão absorvido estava em sua melancolia.
A filha então compreendeu que existem momentos em que as palavras ficam muito pobres e não dão mais conta de acender uma luzinha no coração das pessoas.
Resolveu Agir.
Assim que o pai adormeceu, a moça entrou no quarto com um pincel e um potinho de tinta verde. Subiu em um banquinho e pintou no vidro da janela, bem no rumo da árvore que seu pai olhava, uma folhinha verde.
À medida em que o outono ia avançando e o inverno tomava seu lugar, as folhas da árvore desprenderam-se todas e saíram dançando ao vento...
O rei observava cuidadosamente todos os seus movimentos.
Observava, especialmente, uma certa folhinha verde muito teimosa e persistente, que não se movia do lugar e ficava agarrada a árvore, não importava o quão forte fosse o vento, quão inclente fosse a chuva.
Até que a neve chegou e cobriu a árvore com um manto branco.
Mas, de sua cama, o rei havia atado o fio da vida àquela folhinha verde e continuava olhando-a fixamente.
E foi assim, agarrando-se à folhinha verde que o rei atravessou o inverno de sua doença e o inverno de sua alma.
Então, quando a primavera chegou e muitas novas folhinhas cobriam a árvore e àquela pequena folha verde ficou perdida entre tantas outras, o rei encontrou seu ânimo, sua vontade de viver e ficou de pé. E voltou a vida.
Mais tarde, enquanto limpava a folhinha pintada na janela a filha pensou:
__"Espero que, algum dia, se o desânimo tomar conta do meu ser, alguém consiga oferecer uma folhinha verde, para que eu possa receber, através dela, a seiva da vida."

ALIMENTOS DA ESTAÇÃO:

Cada estação oferece alimentos característicos. No outono, podemos contar com a fartura de abóbora, banana, goiaba, abacate, caqui e coco, entre outros é claro. As folhas caem das árvores para que as novas possam surgir e as temperaturas amenas trazem as frutas.

RECEITA DE BOLO DE CHUVA DE BANANA

INGREDIENTES:
1 unidade(s) de ovo
2 xícara(s) (chá) de farinha de trigo
1 xícara(s) (chá) de açúcar
1 colher(es) (sobremesa) de fermento químico em pó
quanto baste de leite
6 unidade(s) de banana prata

MODO DE PREPARO:
Amasse a banana, misture a farinha, açúcar, ovo e o fermento. Se a massa ficar dura, coloque um pouco de leite. Frite às colheradas em óleo quente e jogue açúcar com canela por cima.


IOGURTE DE CÔCO
Ingredientes

1 iogurte natural
800 ml de leite integral ou semi-desnatado
150 ml de leite de côco
100 gramas de côco ralado
6 colheres de açúcar ou adoçante

MODO DE PREPARO
Em um pote de vidro coloque o iogurte, o leite de côco, o côco e o açúcar ou adoçante e misture m bem. Por último adicione o leite à temperatura ambiente, volte a mexer até ficar uma mistura homogênea e distribua em potinhos. Coloque-os na geladeira.

Entenda sobre o outono:

http://www.brasilescola.com/geografia/outono.html

Leia mais...
4

8 de março - DIA DA MULHER -


Não poderia deixar de citar aqui, alguém que admiro muito. É minha conterrânea lá do Sul, uma gaúcha, escritora e acima de tudo, um mulherão batalhador e muito bem resolvida.
Para lembrar do nosso dia, deixo aqui, duas crônicas da Martha Medeiros.

A MULHER BOAZINHA
Por Martha Medeiros

Qual o elogio que uma mulher adora receber?
Bom, se você está com tempo, pode-se listar aqui uns setecentos:
mulher adora que verbalizem seus atributos, sejam eles físicos ou morais.
Diga que ela é uma mulher inteligente, e ela irá com a sua cara.
Diga que ela tem um ótimo caráter e um corpo que é uma provocação,
e ela decorará o seu número.
Fale do seu olhar, da sua pele, do seu sorriso, da sua presença de espírito,
da sua aura de mistério, de como ela tem classe:
ela achará você muito observador e lhe dará uma cópia da chave de casa.
Mas não pense que o jogo está ganho: manter o cargo vai depender da sua
perspicácia para encontrar novas qualidades nessa mulher poderosa, absoluta.
Diga que ela cozinha melhor que a sua mãe,
que ela tem uma voz que faz você pensar obscenidades,
que ela é um avião no mundo dos negócios.
Fale sobre sua competência, seu senso de oportunidade,
seu bom gosto musical.
Agora quer ver o mundo cair?
Diga que ela é muito boazinha.
Descreva aí uma mulher boazinha.
Voz fina, roupas pastel, calçados rente ao chão.
Aceita encomendas de doces, contribui para a igreja,
cuida dos sobrinhos nos finais de semana.
Disponível, serena, previsível, nunca foi vista negando um favor.
Nunca teve um chilique.
Nunca colocou os pés num show de rock.
É queridinha.
Pequeninha.
Educadinha.
Enfim, uma mulher boazinha.
Fomos boazinhas por séculos.
Engolíamos tudo e fingíamos não ver nada, ceguinhas.
Vivíamos no nosso mundinho, rodeadas de panelinhas e nenezinhos.
A vida feminina era esse frege: bordados, paredes brancas,
crucifixo em cima da cama, tudo certinho.
Passamos um tempão assim, comportadinhas, enquanto íamos alimentando um
desejo incontrolável de virar a mesa.
Quietinhas, mas inquietas.
Até que chegou o dia em que deixamos de ser as coitadinhas.
Ninguém mais fala em namoradinhas do Brasil: somos atrizes,
estrelas, profissionais.
Adolescentes não são mais brotinhos: são garotas da geração teen.
Ser chamada de patricinha é ofensa mortal.
Pitchulinha é coisa de retardada.
Quem gosta de diminutivos, definha.
Ser boazinha não tem nada a ver com ser generosa.
Ser boa é bom, ser boazinha é péssimo.
As boazinhas não têm defeitos.
Não têm atitude.
Conformam-se com a coadjuvância.
PH neutro.
Ser chamada de boazinha, mesmo com a melhor das intenções,
é o pior dos desaforos.
Mulheres bacanas, complicadas, batalhadoras, persistentes, ciumentas,
apressadas, é isso que somos hoje.
Merecemos adjetivos velozes, produtivos, enigmáticos.
As “inhas” não moram mais aqui.
Foram para o espaço, sozinhas.


O Mulherão
Por Martha Medeiros

Peça para um homem descrever um mulherão.Ele imediatamente vai falar do tamanho dos seios,na medida da cintura,no volume dos lábios,nas pernas,bumbum e cor dos olhos.Ou vai dizer que mulherão tem que ser loira,1,80m,siliconada,sorriso colgate.Mulherões,dentro deste conceito,não existem muitas:Vera Fischer,Leticia Spiller,Malu Mader,Adriane Galisteu,Lumas e Brunas.Agora pergunte para uma mulher o que ela considera um mulherão e você vai descobrir que tem uma a cada esquina.

Mulherão é aquela que pega dois ônibus por dia para ir ao trabalho e mais dois para voltar,e quando chega em casa encontra um tanque lotado de roupa e uma família morta de fome.Mulherão é aquela que vai de madrugada para a fila garantir matricula na escola e aquela aposentada que passa horas em pé na fila do banco para buscar uma pensão de 100 Reais.
Mulherão é a empresária que administra dezenas de funcionários de segunda a sexta, e uma família todos os dias da semana.Mulherão é quem volta do supermercado segurando várias sacolas depois de ter pesquisado preços e feito malabarismo com o orçamento.Mulherão é aquela que se depila, que passa cremes, que se maquia, que faz dieta,que malha,que usa salto alto, meia-calça,ajeita o cabelo e se perfuma,mesmo sem nenhum convite para ser capa de revista.Mulherão é quem leva os filhos na escola,busca os filhos na escola,leva os filhos para a natação,busca os filhos na natação,leva os filhos para a cama,conta histórias,dá um beijo e apaga a luz.Mulherão é aquela mãe de adolescente que não dorme enquanto ele não chega, e que de manhã bem cedo já está de pé, esquentando o leite.
Mulherão é quem leciona em troca de um salário mínimo,é quem faz serviços voluntários,é quem colhe uva,é quem opera pacientes,é quem lava roupa pra fora,é quem bota a mesa,cozinha o feijão e à tarde trabalha atrás de um balcão.Mulherão é quem cria filhos sozinha, quem dá expediente de oito horas e enfrenta menopausa,TPM,menstruação.Mulherão é quem arruma os armários, coloca flores nos vasos,fecha a cortina para o sol não desbotar os móveis, mantém a geladeira cheia e os cinzeiros vazios.Mulherão é quem sabe onde cada coisa está, o que cada filho sente e qual o melhor remédio pra azia.

LUMAS,BRUNAS,CARLAS,LUANAS E SHEILAS:Mulheres nota dez no quisito lindas de morrer, mas MULHERÃO É QUEM MATA UM LEÃO POR DIA


Não deixem de ler as outras crônicas:
http://www.marthamedeiros.com.br/
Leia mais...
8

COLEÇÃO GIRAFA

Meninas, comprei 3 folhas de e.v.a com estampa de girafa. Fiz algumas coisinhas e ainda sobraram umas tirinhas para alguns detalhes em outras peças.

GIRAFA MEDIDORA

PRENDEDORES DECORADOS - Para mural, atividades etc

CADERNO DE PLANEJAMENTO

Olhem os detalhes que fiz com o furador. É o tipo de peça que deixa com um acabamento cute.
Leia mais...
1

Coisas de arteira

Quem disse que só criança faz arte? Pois bem... também fiz. E muitas.
Fui na papelaria e encontrei e.v.a decorado da Kreateva e furadores da toke e crie, achei a estampa do e.v.a linda e, é claro, comprei um de cada. Agora, sobrou um tempinho e comecei a dar forma para estes e.v.a's.
Assim que eu desempacotar minha mudança, vou postar fotinho dos meus furadores e vazadores, um mais lindo que outro. Tem de maçã, abelhinha, flor, círculo,etc ai... ai...

ENFEITE DE PORTA PARA SALA DE AULA

TEMA: Zoológico, Floresta ou animais


CANETA DECORADA ZEBRINHA


Êba, olha o e.v.a com estampa de Zebra, achei "peruérrimo".



PRENDEDORES DECORADOS - GIRAFINHAS

PRENDEDORES DECORADOS - ZEBRINHA

Olha que ideia show para o dia das mães
Leia mais...