Minhas artes

Link-me


Outras atividades

Outras atividades
Ideias, Projetos e Atividades sobre IDENTIDADE

Translate

2

Como selecionar as histórias que vamos contar?




1.º - De acordo com a idade

Fase Pré-Escolar - Período maternal (Dos 2 aos 4 anos )


Período Pré-Primário (Dos 4 aos 6 anos)
Fase Escolar - 1.º Período (Dos 7 aos 8 anos)


2.º Período (Dos 8 aos 9 anos)


3.º Período (Dos 9 aos 10 anos)




O período maternal é a fase pré-mágica. O mundo da criança limita-se ao ambiente circundante em que ela vive. Sua imaginação acha-se ainda latente, e por isso, somente os seres, as coisas e as pessoas com que convive, podem ocupar-lhe a atenção.
No pré-primário, que se inicia aos 4 anos, entra o infante na fase mágica, e a fantasia desponta criadora e atuante. Abrange os 3 períodos: o 1.º aos 4 anos; o 2.º aos 5; e o 3.º aos 6 anos. Neles já entram as narrações clássicas, como as estórias de Dona Baratinha, Os Três Porquinhos, Chapeuzinho Vermelho etc. Na fase escolar a criança começa o aprendizado de leitura, que se faz normalmente nas escolas primárias. O enredo, girando em torno de estórias de animais, de aventuras e de encantamento, desperta o interesse pelos conflitos e lances culminantes que se entretém.




2º - Conforme as espécies e gêneros literários



De um modo geral, a Literatura Infantil comporta as mesmas espécies e gêneros da Literatura Geral. Assim, há modalidades em prosa (contos, novelas, romances, fábulas, apólogos, peças teatrais etc.) e em verso (narrativas ritmadas ou rimadas como os romances ou xácaras, as parlendas, e todas as composições singelas que compõem o patrimônio da chamada "poesia infantil"). Destacaremos algumas espécies, que informam particularmente as letras infantis.


Contos de Encantamento - São narrações em cujo enredo ocorre qualquer fato extraordinário ou inverossímil, tais como as metamorfoses fantásticas, sortilégios estranhos, fórmulas cabalísticas, talismãs invencíveis etc. Enfim, é o império absoluto do impossível, da mágica e do imprevisto. Seria suficiente evocar estórias como as de "Aladim e a Lâmpada Maravilhosa, "O Pássaro de Ouro", "A Bela Adormecida no Bosque", "A Gata Borralheira", "O Pescador e o Gênio" etc. Numa dessas ficções basta uma senha ser proferida para que algo incrível ocorra. É o caso do Ali Babá com seu providencial "Abra-te, Sésamo!", chave infalível para a remoção de obstáculo que veda a entrada da caverna famosa. Noutra é uma ave que se transforma em esbelto e elegante mancebo, como em "O Papagaio Real". Naquela outra uma linda donzela, ao ser espetada na cabeça por um alfinete, vira uma pomba branca, e numa pomba que fala, como sucede na "Moura Torta".


Contos de Fadas - São também contos de encantamento, nos quais ocupam as fadas lugar de evidência. Mas o que são fadas ? O termo remonta ao grego, com a significação de "Brilho", "Fulgor" tendo chegado até nós pelo latim através de "fatum", a que se prendem na mesma família etimológica outras palavras como : fado, fatal, fatalidade, fábula etc. A palavra "Fada" ainda integra o léxico em expressões de sentido delicado e laudatório: trabalho de fada, mãos de fada, dedos de fada etc.
Filhas da imaginativa popular, as fadas surgiram no declinar do paganismo, herdeiras de determinadas peculiaridades que as crenças mitológicas haviam atribuído às ninfas, às ondinas, oríades, dríades etc. Podemos considerá-las irmãs das druidesas, entre os celtas, e das valquírias entre os germanos. Na França, vemo-las como o elemento maravilhoso dos romances de cavalaria.
As fadas, conforme as lendas que as inspiram, dispõem de poderes mágicos. De preferência, elas deles usam para beneficiar um afilhado, ou seja, um indivíduo que ao nascer, lhes é confiado a proteção. Podem cumulá-lo de dons admiráveis, como riqueza, beleza, fortuna, poder etc. Presidem, assim, à evolução de um destino, e daí a origem do nome latino "fatum", - destino.


Estórias Acumulativas - São narrações em que os episódios sucedem-se consecutivamente encadeados, numa seqüência pela qual os casos anteriores se repetem face à representação de outro. Os casos acumulam-se então gradualmente até o desfecho, que afinal refere-se ao próprio início da narrativa. O exemplo típico dessa espécie vamos encontrar na estória da formiguinha, cujo pé ficou preso na neve. São estórias que agradam particularmente a crianças novas, pois sua técnica baseada na iteração, possibilita maior facilidade ao acompanhamento do enredo.


Estórias de Aventuras - Narrações entremeadas de acidentes e episódios empolgantes por que passam personagens destacadas, centralizadas na figura de heróis, caso seja mais de um. O assunto dessa espécie é bem variável: ora se prende a lances épicos e dramáticos (como no caso de cavaleiros medievais de marinheiros e piratas, de vaqueiros e bandoleiros, de espadachins etc.), ora a casos envolvendo enigmas e surpresas (como nas narrativas de mistério e nos contos policiais), por vezes a fatos simplesmente pitorescos ou de peculiar ineditismo (como nas ficções de fundo cientista ou nas de conteúdo humorístico).


Fábulas - Narrações que visam explicar a origem de certas particularidades de um ser ou coisa. Assim o porquê da rivalidade ou animosidade entre animais como o cão e o gato, o motivo da existência do rabo nos macacos, a razão pela qual a goela da baleia é estreita etc. Muito conhecido é o conto "A Festa no Céu", que nos informa a causa do aspecto característico do couro do sapo, tão salpicado à maneira de remendos.






2 carinhos recebidos:

Anônimo disse...

Eu estava precisando de material sobre a educação infantil, portanto, fiquei muito feliz por ter econtrado este blog. Parabens por existires prof. Marcia! Voltarei muitas vezes. Já sou sua fã. Elizete RGS

12 de março de 2009 11:20
Anônimo disse...

Gostaria de comentar sobre o artigo "Masturbação Infantil".
Não concordo com o INCENTIVO de pais ou professores a masturbação da criança. Certamente aos 3 anos quando ela inicia o toque em seu corpo ela não sabe o que esta fazendo, sendo assim nao orienta-la é abrir espaço para futuros abusos tanto da criança com outras como de algum adulto com ela. Os pais tem o papel de orientar que tudo há seu tempo e uma criança nesta idade deve ser incentivada a ter a atenção em outras atividades.
Em relação a criança precisar "aliviar os momentos" em que esta triste ou irritada, há muitos meios de ajuda-la com atividades especificas, tais como: Se ela esta triste nada melhor do que um abraço e uma conversa com os pais sobre o que aconteceu. Se esta irritada, ela pode aliviar com o boneco "Joao Bobo", ou uma atividade onde ela pode ir a um local na sua casa para ficar sozinha ate que esteja pronta para voltar ao convivio da familia.
Não acredito que a masturbação irá ajudar aliviar uma criança que esta em formação, pelo contrario ao inves de incentivar os pais a ajuda-la, mais uma vez é mais facil e pratico a criança aprender a se virar sozinha, pois afinal hoje em dia ninguem tem tempo para ouvir ninguem!
Descordo deste artigo e creio que será muito mais facil através do incetivo nesta idade a criança abusar e ser abusada! Não sejamos hipocritas em pensar que isso não acontece. Imagine com os pais incentivnado!
QUANDO VOCE CONVERSA COM ADULTOS QUE FORAM ABUSADOS GRANDE PARTE TEM ODIO NÃO SO DO ABUSADOR, MAS DOS PAIS QUE NÃO EVITARAM, NÃO PROTEGERAM E NEM INSTRUIRAM OS FILHOS!!!! ATENÇÃO PAIS!!!!!!!!

Fica aqui a minha indignação!!!!!!

Tamara

30 de abril de 2009 15:52

Postar um comentário

Este blog foi criado para trocar ideias e compartilhar saberes.
Que bom que você chegou aqui e vai deixar seu comentário.
ADOREI A SUA VISITA!!